Siga por e-mail

Saturday, March 22, 2014

Bullying by Leia Teixeira

Bom como estava sem assunto mas queria escrever algo, li este artigo da minha amiga Leia Teixeira e me identifiquei total. Sim ja fui bullied, e tambem inocentemente ja bullied alguem mas, era diferente, sem a intencao de a pessoa se excluisse do grupo, muito menos pensasse em suicidio. Era assim um bullying saudavel. Saudades do meu paquera ferrugem, e da minha amiga vira pau.  Aqui vai totalmente e na integra ( redundante?). Eu sei que iram gostar.

On Bullying...
Palavra nova para uma pratica milenar entre as criaturas mais adoraveis do planeta: os nossos filhos.
A crianca nao conhece eufemismo. Ela vai usar o Portugues mais rasgado e cruel pra definir os coleguinhas....
Se voce eh alto - te chamam de vara-pau
Se usa oculos - jacare-de-4-olho, zaroio, zoinho
Se tem Sarda, ferrugem
Se o cabelo eh vermelho - fogueira
Se magro- lumbriga
Se gorducho- bolo- fofo, gordinho, gorducho
Se Gordo- baleia, bujao...
Se tem deficit de aprendizado: burro, orelhudo
Se inteligente: CDF
E por ai vai...
Neste contexto, Feliz a crianca que passa invisivel pela infancia.
Esta selva acontece geralmente intra- muros onde existe qq agrupamento infantil. Escola, condominios, igreja, etc. onde ha crianca ha bullying.
Fiquem atentos... Existem os bullies, os bullied, ou os que nao fazem nada!
Num momento ou outro da vida vc vai ser caça ou caçador.
Na minha familia eramos os ensinados pelos mais velhos aa nao caçoar de ninguem, pq se passasse um vento naquele instante, vc ficaria tal qual aquela pessoa. Era crime e castigo e o medo deste juizo me norteou na infacia.
Mas confesso aqui, que eu tambem nao abria a boca em favor dos necessitados tb nao.
So aprendi esta liçao mais tarde.
Qdo eu estava na segunda serie, mudaram para a nossa escola, 2 meninas, muito lindas sempre bem arrumadas que iam pra escola com a avó. Uma delas, havia passado por varias cirurgias para corrigir uma hidrocefalia, e portanto,o tamanho da cabeca dela era acima da media.
Elas chegaram no meio de bimestre, e foram apresentadas aa turma depois que ja estavamos todos sentados.
A crueldade dos meus coleguinhas de apenas 7 ou 8 anos, foi imediata. Comecou com a troca de olhares, e culminou na hora do recreio, com um coro musical de meninos, correndo atras dela e cantando: Voce viu o cabecao por ai? A outra metade respondia: Eu nao, eu nao vi nao!!!
Isto se repetiu por varios recreios, apesar de castigos e ameacas de suspensoes....
Confesso que esta crueldade marcou a minha infancia, e eu nao fiz nada.
 "

No comments:

Post a Comment